terça-feira, 29 de junho de 2010

No way (Parte I)

- Terra chamando Flavinho. Alô? Oiiiii! Onde sua mente tá viajando, amigo? - perguntei.

Nunca vi o Flavio tão aéreo. Parecia que tinha perdido alguém, ou tivesse um problema dos tipos que para o país.

- Desculpa, linda, tava pensando na menina que eu gosto. - ele respondeu.
- De novo?
- Sim, de novo. Eu a amo. Só queria saber porque ela está com ele, não comigo?!

Ah! Agora tá explicado. Ele estava pensando na sua amada.

- A gente passa o dia inteiro juntos, ela fica abraçada em mim e, no fim, ela volta pra ele. Não entendo - Flávio se abre - por quê. Mulher é um bicho tão complexo, meu Senhor! Ela não podia simplesmente ficar só com o cara, ou largá-lo e ficar comigo?! Por quê ela fica com esse joguinho? Não atende os telefonemas do cara, passa a tarde inteira, todos os dias, na minha casa,...

Ué, quem é essa menina? Nunca a vi. Isso porque todo santo dia estou na casa dele! Será que ele...? NO WAY! Não acredito que ele está falando ...

- Queria que ela se tocasse o quanto me importo com ela e, se ela não quer nada comigo, pra parar de ficar brincando com meus sentimentos!
-Flavinho, de quem você está falando?
- De você, Tainara. E você sabe, não se faça de boba!

Não, não estou me fazendo de boba. Eu só fiquei surpresa com a clareza que ele disse pra mim. Eu também gosto do Flávio, mas minha família quer que eu me case com o Renan. E pra piorar, minha família não gosta do Flavinho por ele ser classe média. O que eu faaaaaaaço?!


Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário